18 março 2019

,

Cacos, pedaços...O que me resta se não um mundo onde não me encaixo!?
Desnorteada, perdida, nunca me acho.
Jogada, caída, debaixo do acúmulo de sofrimento ás vezes por antecipação, ou não.
Cheia de planos, entregue a enganos.
Sem certezas, com ideias sobre uma mesa, sem coragem pra recomeçar.
Falta sentido para continuar.
Tudo anda tão bagunçado, que a arrumação diária já não funciona mais.
Não é suficiente. Permanentemente sem foco.
Uma mente vaga, mas lotada.
Por que remoer? Por que não esquecer?
Cada dia que passa, a vida vai perdendo o sentido.
De tanto querer, pouco poder, muito dever.
Buscando ar onde não há porquê, caminhando, chegando a lugar nenhum.
Sonhando que talvez algo de bom apareça e por mais sonho que seja, me vejo em momentos idealizando e esperando que dessa vez permaneça.
Comigo é sempre assim absorvendo um pouco de tudo, perdendo um pouco de mim.

15 março 2019

,
Na Bienal do Livro de 2018, um dos livros que adquiri foi o Vai Sonhando. Pude conhecer a autora do livro, e gostei da história, principalmente do fato de se tratar de um romance gay (eu nunca havia lido um livro assim antes). Demorei um pouco para começar (e terminar) a ler, porém eu tardo mas não falho!



Título: Vai Sonhando
Autor: Cínthia Zagatto
Páginas: 297
Editora: P.S.:

Sinopse

É 2005 e os Virgin Boys ainda vão completar um ano de existência quando caem nas graças de uma gravadora. Este é o sonho de Double desde que compôs sua primeira música ainda na infância, mas as condições de contrato talvez não sejam as melhores para ele. De turnê marcada, este também pode ser um mau momento para que Shaun precise dormir ao lado de Peter.

Jogados na estrada, agora eles têm algumas semanas para aprender a dançar conforme a música - de preferência, o pop-rock que vem dominando as rádios e seus aparelhos de mp3.

Minhas impressões

O livro conta a história dos Virgin Boys, uma banda formada por quatro meninos: Double, Shaun, Peter e Dave. Além de ver como a banda cresce profissionalmente, a gente também acompanha a vida dos integrantes da banda, e isso foi um problema para mim. Acompanhar a vida de quatro personagens é difícil, e a forma como foi contada não facilitou o processo. O que acontecia era que a história simplesmente começava a ser narrada, porém eu não sabia sobre quem a narrativa se referia naquele momento até que fosse citado o nome do personagem. Por muitas vezes eu pensava que o foco era o personagem X, mas na verdade era o Y, e isso criava uma confusão enorme na minha cabeça. Isso fez com que eu demorasse muito tempo para terminar de ler o livro.

A história andou beeem devagar. A Cínthia é muito detalhista na hora de narrar, e isso é algo que eu acho bacana na maioria dos livros que leio, mas dessa vez, infelizmente, não deu certo. O excesso de detalhes no livro todo, deixava as passagens cansativas, o que me fazia querer fechar o livro e interromper a leitura ou pular para o próximo capítulo.

O momento em que fiquei bastante envolvida mesmo com o enredo, foi lá para os últimos capítulos, eu diria que o clímax todo do livro aconteceu ali no final. Nós passamos a entender muitas coisas, refletimos sobre toda a história e até nos questionamos: "como eu não notei isso antes?".

Apesar de a maioria da narrativa ser lenta e até um pouco confusa, o livro fala sobre relacionamentos gays, relacionamentos abusivos, amizades que a gente pensa que nunca podem acabar e sonhos (sim, sonhos, daqueles que você deita, dorme e sonha).

Eu gostei do desfecho da história, e apesar de ter citado alguns pontos negativos do livro, acho que vale a pena a leitura.

Minha (humilde) classificação: ★★★☆☆

Curiosidades - que talvez ninguém queira saber


  • Como eu disse no começo do post, conheci a autora do livro na Bienal, e gostaria de deixar esse momento registrado aqui:





  • Eu sempre gosto de anotar citações do livro que eu acho bacana, mas esse infelizmente não teve nenhuma! :(

  • No final do livro, existe uma playlist com todas as músicas que foram citadas no decorrer da história, você pode ouví-la em: bit.ly/vaisonhandotrilha.

Você já conhecia o livro? Gostou da resenha?

11 março 2019

,
Hoje em dia existem tantas mulheres empreendedoras por aí, que correm atrás do que querem, criam seu próprio negócio e crescem com isso, não é? Por que não indicá-las? Temos que nos apoiar e acho super válido indicar trabalhos de mulheres incríveis, para que possamos apoiá-las, seja contratando algum serviço ou até mesmo acompanhando nas redes sociais e dando mais visibilidade a elas.

Para produzir esse post, contei com ajuda de algumas blogueiras dos grupos DaydreamA Corte Vermelha e United Blogs, que me indicaram trabalhos de mulheres que elas conhecem.

Ah, e a ideia para esse post foi da @raffa.casil (que também faz um trabalho incrível que vocês verão ainda nesse post).



Colibri Marketing Digital


A Tiffany tem uma empresa de Marketing Digital, com mais dois sócios, que tem sede em Ribeirão Preto, SP.

Trabalhamos com uma comunicação rápida, clara e dinâmica com os nossos clientes. Estamos à disposição, em nossos canais de atendimento, para dúvidas, sugestões e/ou informações relevantes que possam auxiliar em nosso trabalho. Entendendo o seu negócio podemos atingir resultados a curto e longo prazo, como leads, oportunidades, vendas e clientes satisfeitos, que serão cruciais para se destacar no mercado competitivo!

🔗  http://www.colibricomunica.com.br
💙 Facebook

Expresso Rosa


A Luly tem uma lojinha virtual, onde ela vende alguns cadernos com encadernações que ela mesma faz! Os cadernos são lindos e os preços variam de R$25,00 a R$35,00.



Artes de Bells


A Isabelle trabalha com artesanato em biscuit e MDF, e faz peças lindas sob encomendas. As encomendas são feitas pela conta do Instagram dela, e ela entrega apenas para o Rio de Janeiro (por enquanto).

"Lápis-varinha" feitos pela Isabelle.

💜 @artesdebells (Instagram)
🚩 Rio de Janeiro

Rafaela Casil Fotografia


A Rafaela além de ser minha amiga (hehehe), é uma fotógrafa incrível! Ela faz ensaios lindos e reside em São Bernardo do Campo/SP. Você pode entrar em contato com ela através de sua conta no Instagram.




💜 @rafaela.casil (Instagram)
🚩 São Bernardo do Campo, SP.

Esses são alguns trabalhos de mulheres incríveis que eu resolvi indicar para vocês. Lembrando que caso você não tenha dinheiro para contratar/apoiar essas pessoas, você pode compartilhar os trabalhos delas, acompanhá-las e apoiá-las nas redes sociais. Isso já é uma grande ajuda!

08 março 2019

,
Eu estou um pouquinho atrasada para indicar o que eu achei de legal pela internet nesse mês de Fevereiro, porém eu tive alguns problemas com o computador (que eu espero que eu tenha conseguido resolver) que me impossibilitaram de liberar esse post assim que o mês acabou.

Mesmo atrasada, estou aqui compartilhando posts lindos que merecem a sua leitura.




  • A Kimberly disponibilizou um Planner para blogueiras 0800 (0800 = de graça), está a coisa mais linda e a gente consegue manter o blog organizado com esse xuxuzinho.

  • O Sai da minha lente é um dos meus blogs favoritos (não é atoa que está aqui no blogroll), e olha esse Week Click que coisa mais linda! Além de fotos incríveis, a Clayci colocou uma música no post que eu estou viciada até hoje (sim, você terá que entrar no post para descobrir qual a música, hehehe).


  • Olha o Sai da minha lente aqui de novo! A Clayci falou sobre a série The Umbrella Academy e eu amei saber mais sobre, pois ela está na minha lista para ser assistida.


E aqui no blog?






Nós tivemos vídeo novo também (eba!):


Clica aqui  para se inscrever no canal.

Você já havia visitado algum link que eu listei aqui? E os posts do blog, já tinha lido? Vamos conversar! 

06 março 2019

,
Olá! Novamente estou dando as caras por aqui para falar mais uma vez sobre filmes e séries. O tema de hoje é uma série que eu ouvia muito falar e não dava ideia para essa coisa maravilhosa. Como eu pude ignorar isso por tanto tempo?

Esse final de semana, eu e meu noivo inventamos de começar alguma série, dessa vez a escolhida foi How to get away with murder (ou de acordo com a tradução da Netflix: Como defender um assassino). Ele já tinha visto, porém eu não. Comecei vendo a série com um pequeno sentimento de “isso vai ser um saco”, até o momento que eu vi a Viola Davis, como Annalise Keating, uma brilhante advogada criminal, entrando numa turma de estudantes de direito e já mostrando todo o seu potencial. Nesse mesmo momento a minha perspectiva se transformou numa nova.

How to get away with muder é um tipo de série que a partir do primeiro episódio já te prende para ver o segundo, sem querer dar pausa e assim, consecutivamente, até acabar todos os episódios. Terminei a 1ª temporada em 2 dias e já quero ver a segunda.

Eu separei 3 grandes motivos para você que ainda não viu, começar a ver a série hoje mesmo!



1. Empoderamento feminino e negro – Apesar de começar a série com um assassinato e 5 alunos como principais (e isso não é spoiler), a trama se passa toda em volta da Annalise (Viola Davis), uma mulher negra que teve muitos altos e baixos na vida mas ainda sim está sempre de pé.

2. Falas e retratos bem claros sobre abuso – A série mostra quase todo tempo sobre abusos, tanto físicos como psicológicos. Além de diversos casos que a Annalise pega para defender, tem que lidar com o seu casamento que não vai nada bem. É retratado durante todo o drama da série abusos psicológicos com os 5 estudantes principais, fazendo pressões e jogos psicológicos um com o outro, para se livrar da culpa do assassinato.

3. Você é inocente até que se prove o contrário – A Annalise é uma advogada criminal e ela precisa provar a inocência de seus clientes ainda que eles sejam culpados. O inocente nem sempre é tão inocente assim e é engraçado a forma como falam sobre isso. Querendo ou não, todo mundo é inocente e tem direito à liberdade até que se prove o contrário. Ela e seus alunos pegam diversos casos desse tipo e mesmo que alguns acham ruim ter que trabalhar neles, tem que ser feito. Afinal, é o trabalho do advogado de defesa.

Essa foi a minha impressão sobre a primeira temporada dessa série que, de fato, achei muito boa e não me arrependo de começar a ver. Você já viu a série? Se sim, o que achou? Conte-me, vou adorar saber!
Até a próxima! 

Xoxo, Thamires.