Desventuras em série e o trágico final

quinta-feira, janeiro 19, 2017

Sim, eu vou falar da série, que foi lançada recentemente no Netflix.
Pra quem não sabe, essa é uma saga que conta com 13 livros ao total. E também existe um filme, que foi lançado em 2004 com atores como Jim Carrey, Meryl Streep e Jude Law.
Eu não li nenhum livro e não assisti ao filme (ainda), comecei a assistir a série por pura curiosidade, já que no meu facebook só se falava disso.


Os órfãos Baudelaire são três irmãos muito inteligentes; Violet é a mais velha, Klaus é o irmão do meio e Sunny é a mais nova, com três anos. Quando seus pais morrem, eles passam a morar com diferentes tutores, e o primeiro é Conde Olaf, que irá tentar roubar a enorme herança deixada pelos pais.

A primeira coisa que notei foi que sempre dois episódios tem o mesmo título, sendo divididos em parte um e parte dois. Encontrei no site Adoro cinema que a cada dois episódios, é adaptado um livro, e eu achei isso genial. Na primeira temporada, os livros adaptados são: "Mau começo", "Sala dos répteis", "O Lago das Sanguessugas" e "Serraria Baixo-Astral". Levando em consideração que são treze livros, podemos esperar uma segunda temporada, não é mesmo Netflix?

No começo, eu achei a série muito monótona, principalmente os dois primeiros episódios. Depois, começaram muitas desventuras, e eu diria até que algumas partes ficaram meio confusas.

Apesar de eu nunca ter assistido o filme, dei um Google e fiquei impressionada como a Violet (irmã mais velha) e o Conde Olaf se parecem, apesar de serem atores diferentes.
 Personagens da série (a Violet é a do meio)

Personagens do filme (a Violet é a do meio)

 Conde Olaf na série

Conde Olaf no filme

Com relação as atuações, eu gostei de todos, em geral, principalmente do Neil Patrick, que faz o Conde Olaf. Conde Olaf é um ator e se caracteriza de diversas formas diferentes durante a série para tentar enganar as crianças, e cada personagem que ele cria tem uma característica diferente, que ele consegue manter muito bem o tempo todo. Admiro isso pois ele consegue manter duas atuações ao mesmo tempo (sou fulano, mas também sou Conde Olaf), espero que não tenha ficado confuso, hahaha!

Os efeitos são bem ruinzinhos, já vou adiantando. Sunny, a irmã mais nova, muitas vezes tem ações que são computadorizadas, e isso fica bem nítido, sem contar que inúmeras vezes conseguimos notar que estão trabalhando com um boneco e não com um bebê real. Esse quesito não me incomoda tanto, afinal eu assisto Once Upon a Time e amo.

Desde o primeiro momento da série, fica bem claro que a história não tem um final feliz, e isso é citado o tempo todo. Eu achei isso genial, já que nós ficamos super curiosos pra ver a desgraça da vida dos personagens (por mais que a gente goste deles) e acho que foi isso que me motivou a assistir até o final.

Eu só fiquei muito irritada com o fato de que as pessoas se dirigem às crianças chamando-as de "Baudelaires", que nada mais é que o sobrenome deles. Na tradução da Netflix aparece a palavra "crianças". Poxa Netflix, nós sabemos que esse é o sobrenome deles, pode deixar "Baudelaires" mesmo.

Em resumo: péssimos efeitos, atuação ótima, cenário legal, história meio confusa, precisamos de uma segunda temporada para entender muitas coisas que ficaram em branco. Se eu fosse fazer uma classificação de estrelinha onde fosse: uma estrela = ruim; duas estrelas = regular; três estrelas = bom; quatro estrelas = ótimo; cinco estrelas = maravilhoso; eu daria três estrelinhas.
Ah, a série tem uma temporada com oito episódios, que duram em média 50 minutos cada.

Se você já assistiu/está assistindo/quer assistir/não quer assistir dá um sinal de vida aí nos comentários e vamos conversar 💙

You Might Also Like

1 comentários

comentário(s) pelo facebook:

Se você não tem conta no google, clique na caixinha que fica em frente "comentar como" e selecione "Nome/URL" ou comente com sua conta do Wordpress :)

Fale conosco!

Nome

E-mail *

Mensagem *

A galera curtiu

Instagram | @bruscato_vit